sábado, 7 de junho de 2008

Porque deixava que a alma falasse

Ao longo dos anos, foram algumas as pessoas que ia vendo e ouvindo na televisão e que, de uma maneira ou doutra, me foram importantes, mas nenhuma houve que tenha sentido tão fundamental como o Professor José Hermano Saraiva.
Numa idade em que sei nem sempre ser fácil captar a atenção de alguém para qualquer outra coisa que não seja brincar ,o divertir-se com os amigos, lembro-me de ficar colada ao ecrã sempre que começava mais um «O Tempo e a Alma»: era tão fácil contagiar, com todo aquele entusiasmo...
Data de então o gosto pela História, que tive a sorte de ver continuado pela acção de um excelente primeiro professor da disciplina.

Mais tarde, e na continuação do prazer, experimentado desde muito cedo, em conhecer mais sobre a nossa terra, um livro que sempre me acompanhou foi aquele que recebeu o nome do programa televisivo: «O Tempo e a Alma- Itinerário Português»...

7 comentários:

Luísa disse...

Minha querida Cristina, tomo a liberdade de lhe recomendar (vivamente) a leitura do seu Álbum de Memórias, se ainda a não fez. Leva-nos a viajar pelo tempo dos nossos pais e pelo nosso, e a vê-los a ambos pelos olhos da geração deles. Não tem sangue, mas tem suor e lágrimas, tem amor e tem a «medida certa» de «gossip». Muito interessante! :-)

Cristina Ribeiro disse...

Deixou-me a vontade enorme de o ler, Luísa. Diz-me a Editora, por favor?

Júlia Moura Lopes disse...

gosto de o ler, mas não de ver e ouvir...

Cristina Ribeiro disse...

Para mim, Júlia, naquela altura foi-me mesmo muito importante ouvi-lo, porque me passou aquele entusiasmo, quase de quem esteve lá e viu tudo :)

O Réprobo disse...

Pois eu é a vê-lo e ouvi-lo que mais o prezo, porque creioo que a divulgação que faz é de génio. Julgo perceber a Júlia, é um bocadinho vaidoso. Mas transmite um tal entusiasmo que desperta o interesse sobre assuntos a aprofundar em teses muito doutas, porém incapazes de entusiasmar.
Beijo, Querida Cristina

Cristina Ribeiro disse...

É isso mesmo, Paulo. Transmite o entusiasmo que depois nos pode remeter para outras bandas...
Beijo

Luísa disse...

O Álbum de Memórias foi editado, há cerca de um ano, pelo semanário Sol, em onze fascículos. Penso, Cristina, que não está à venda em livrarias, mas talvez seja possível obtê-lo contactando directamente o jornal. Vale a pena tentar.