sábado, 21 de junho de 2008

«Não me lembro de uma Erva-cidreira


tão boa como a deste ano!», disse a minha mãe quando a foi colher há dias, para secar, e guardar as folhas que hão-de durar até o próximo ano, quando, também pelas orvalhadas do São João, se fizer nova apanha.
" Há-de ser feita antes do nascer do sol, senão amarga".
Muito cedo lhe foi inculcada a crença nas propriedades calmantes da planta, pelo que lembro, desde sempre, uma grande chaleira (chamávamos-lhe "chocolateira", embora nunca tivesse sido usada para fazer chocolate, e era feita de barro), com a infusão quente, ao borralho, que tomávamos, invariavelmente, antes de deitar, com bolachas Maria. Era o melhor dos aconchegos...

10 comentários:

Júlia Moura Lopes disse...

Que beleza, estas imagens !...

A minha mãe não se deitava sem uma chávena de chá de cidreira...
Não penso que a erva possua propriedades calmantes, mas mais indicado para digestões dificeis.
O efeito relaxante, é obtido porque é uma bebida quente e,claro não estimulante também.É comum no entanto, nas aldeias esta erva ser a salvação para todos os fins :-)

mike disse...

Sorri ao ler este post. Por causa das diferenças e semelhanças no que "ao melhor dos aconchegos" diz respeito. É que para e para o meu irmão, o melhor dos aconchegos eram os caramelos de chocolate e o copo de leite que a nossa mãe nos trazia à cama. Alguém pensará... caramelos de chocolate à noite a duas crianças? Pois... eu e o meu irmão sempre tivemos dentes de betão. :)

Cristina Ribeiro disse...

Também acho que não faz bem-mas também não faz mal, Júlia. Quando éramos pequenos, o chá funcionava mais como um "quentinho" para o espírito, mas também para o corpo, se era Inverno. Agora não gosto, mas a minha mãe continua a não o dispensar; e tem razão, ainda é visto como remédio para todos os males :)

Cristina Ribeiro disse...

Pois, Mike, mudam-se as pessoas, mudam-se os lugares, e os "aconchegos" são outros :)
No meu caso bastou que mudassem os tempos: agora, "o melhor dos aconchegos- até no Inverno- é um daqueles geladinhos "after dinner" :)

O Réprobo disse...

Querida Cristina,
é o que a minha Mãe toma, de chá, duas vezes por dia, coisa importante para hidratá-La, já que não gosta de água. Penso que foi a primeira vez que vi foto da planta, tão diferente do dsenho das caixas...
Beijo

Cristina Ribeiro disse...

Oh Paulo! Se quiser mando-lhe de cá desta.
Beijo

fugidia disse...

Adoro chá de cidreira mas também acho que é bom para as digestões. O que relaxa e acalma não é do tília?
Beijinho e bom fim-de-semana, Cristina.
:-)

Cristina Ribeiro disse...

Fugidia, atribuem-lhe muitas propriedades: digestivas, calmantes, analgésicas....
Bom fim-de-semana.
Beijinho

Luísa disse...

Minha querida Cristina, os seus temas têm o efeito de nos fazer rever momentos bons do nosso dia-a-dia ou do nosso passado. Um chá de cidreira ou de camomila era sempre o que tomava depois do jantar, até descobrir uma infusão que dá pelo nome de «Noite tranquila», uma espécie de «mix» de várias ervas com efeitos calmantes. Não noto que me abata os nervos. Mas o não cumprimento do ritual – como também o do café ao pequeno almoço – põe-mos em franja. :-)

Cristina Ribeiro disse...

Ou um cházinho, Luísa. À noite terá de ser um chá vermelho, porque não tem, como o chá preto, por exemplo, o estimulante teína.Mesmo no Inverno tomo-o não muito quente- no Verão como um refresco, mesmo...