segunda-feira, 2 de junho de 2008

Mas queria um pião...

Um comentário da Minucha, dizendo-se "maria-rapaz" em criança, lembrou-me de um episódio que a minha mãe conta: claro que não tenho a menor memória dele.
A primeira recordação que tenho de brincadeiras infantis data da época em que as minhas irmãs já eram nascidas, numa altura em que a terra era café, a areia arroz e víamos pratos em cacos de telha...; mas a minha mãe diz-me que houve uma altura que queria brincar com os irmãos- era natural: era, até então, a única rapariga...E acrescenta aquele episódio em que lhe pedi me comprasse um pião; pois, se todos tinham...

14 comentários:

mike disse...

Ora, um pião... a menina devia era ter levado uma boneca... (risada)

Cristina Ribeiro disse...

Pois, Mike, deve ter acontecido uma coisa assim porque não tenho memória de saber jogá-lo :)

mike disse...

Muito bem. Abençoada mãe que piões são coisas para rapazes. (risos)
Perdeu-se um jogador de pião e ganhou-se uma senhora. (mais risos)

Cristina Ribeiro disse...

Eu era muito de "casinhas", e "bonequeira", Mike :)

O Réprobo disse...

Mas do pião também se podia tirar lições de como girar, por acção dos pares, na dança, Cristina...
Além de como pôr a cabeça deles a andar àroda, mas para isso não precisaria de inspirações, imagino.
Beijo

Cristina Ribeiro disse...

Vai-se a ver, Paulo, foi porque nunca aprendi a jogar pião que lancei, nessa mesma altura, mão das danças de roda: vinguei-me nesse rodopiar :)
Beijo

Luísa disse...

Querida Cristina, não sabia que o pião era um brinquedo masculino. Eu acho que tive vários. E até me lembro de uma musiquinha, que cantava:
«Eu tenho um pião,
Um pião que dança.
Eu tenho um pião,
Mas não to dou, não!»
Delirava com piões e ioiôs. :-)

Cristina Ribeiro disse...

Pois, Luísa, essa mesma canção também eu a cantava; mas de piões nicles :)- por cá, só os rapazes; e eram tão lindos, em madeira, com listas castanhas pinhão...

Júlia Moura Lopes disse...

eu bem tentei jogar ao pião,mas nunca consegui, com muita pena.
Mas ninguém me batia no ió-ió.

Acho lindo e viciante.

fugidia disse...

Pião, ió-ió, berlindes e, na praia, o prego (cara corada)
:-)))

ana v. disse...

Eu era completamente Maria-rapaz, Cristina. Montava a cavalo, fazia trapézios nas árvores e adorava todo o género de bicharada. E queria ir para o circo quando fosse grande...
O mundo das bonecas não me interessava muito, a não ser desmanchá-las para ver como eram por dentro. Uma desgraça. Fartei-me de jogar ao berlinde e ao pião, ora essa! Que saudades...

cristina ribeiro disse...

Júlia, achava, (e ainda hei-de comprar um , que os há nas feiras de artesanato) o pião um objecto bonito, e gostava de ver os meus irmãos jogá-lo, mas nunca me atraiu para jogar: por isso é que achei piada à história da minha mãe :)

Fugidia, ai o prego na praia sim- adorava.

Ana, já eu sempre fui muito de andar com trapos atrás, para fazer " roupinha" (aldrabada, claro) para aquelas bonequinhas de plástico que se compravam na feira :)

minucha disse...

Pião, também e ao berlinde,
mas preferia o berlinde ao pião.

Com pião é preciso arte, e tenho ensinado os meus netos, mas o mais novo que é tão mexido como eu era, já me disse que o pião não tem graça...

beijinho

Cristina Ribeiro disse...

Confesso que nesses jogos era mais espectadora; a minha "cup of tea" era mesmo mos cházinhos e similares
Beijinho