domingo, 20 de julho de 2008

«Ficar a ver navios»

Só este fim-de-semana soube a origem desta expressão: quando, no dia um de Dezembro de 1807- tal como prometera a Napoleão: "V. Majestade quer que eu esteja em Lisboa no dia 1; lá estarei"- Junot entra em Lisboa, já a Corte de Portugal partira para o Brasil, no dia anterior, pelo que ele ficou a vê-los ao longe, fora de alcance, não podendo, assim, cumprir a primeira missão que lhe fora confiada- a de prender e depor a Rainha e o Príncipe Regente.

8 comentários:

ana v. disse...

Vim aqui ver navios, para descansar os olhos... (risos)
Beijinho, Cristina

Cristina Ribeiro disse...

Ah não, Ana; para descansar os olhos à Segunda- feira, já sabe onde é a «Porta» :) :)

fugidia disse...

Conhecia mas vem a propósito: para a "ala" que ficou a ver navios à sexta-feira...
Beijinho de boa semana :-)

Cristina Ribeiro disse...

:)
Conhecia a expressão, mas não a sua origem :)
Beijinho, Fugidia

mike disse...

(risos)
Por acaso conhecia a origem da frase. A origem da expressão rés-vés Campo de Ourique também tem piada. :)

Cristina Ribeiro disse...

Conte,Mike, conte...

mike disse...

Aquando do Terramoto de 1755 (e do tsunami), as águas subiram e galgaram o que é hoje a Baixa Pombalina e grande parte da cidade. Campo de Ourique, que fica numa das sete colinas de Lisboa, ficou imune às águas revoltas... por um triz... foi rés-vés... ;)

Nuno Castelo-Branco disse...

E quanto ao "ir para o maneta", Cristina?